Últimos assuntos
» [Parceiro] Bulba RPG
Dom Abr 15, 2018 9:44 am por L Mars

» 01 - Cayley Volcano Gym
Qua Fev 28, 2018 2:08 pm por Apollo

» [Dados] Apollo
Dom Fev 25, 2018 8:19 pm por Dados

» [Dados] — Sammy
Sab Fev 24, 2018 9:04 am por Dados

» [Cap.6] — Tales of a Dragon
Qui Fev 22, 2018 11:13 am por Sammy

» [CHROMA CITY] Cayusta
Sex Fev 16, 2018 1:11 am por Sammy

» [Evento] Poké - Folia
Sex Fev 16, 2018 1:09 am por Sammy

» #02 — Aurille News
Sex Fev 16, 2018 1:08 am por Sammy

» [CD] Cayusta
Qui Fev 15, 2018 1:30 pm por Dados


[Cap. I] Finally the Beginning

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[Cap. I] Finally the Beginning

Mensagem por Ivy em Ter Jan 02, 2018 2:03 pm

Finally the Beginning

Estava contando os dias para que esse dia chegasse, finalmente eu daria início a minha jornada como Performer Pokémon na desconhecida Aurille. Despedi-me da cidade de Snowden logo no amanhecer, vesti-me com as minhas típicas roupas e equipei-me com minha mochila nas costas e uma pequena bolsa de cintura onde guardava pequenos utensílios que usava mais frequentemente, como poções e pokébolas. Entreguei as chaves do meu quarto para a dona da hospedaria que desejou boa sorte em minha jornada e que ela adoraria um dia me ver na televisão no Grand Festival, não só ela, eu também desejava isso.

Acompanhada de Morgana — minha fiel Frillish — partimos para um café próximo e fizemos uma refeição breve. Rapidamente, fomos para os arredores da cidade rumando em direção a rota de número dezoito, a primeira e única rota para seguir quando se da início em Snowden. Entrei na rota e inspirei o ar gélido que soprava no local. Era confortável a sensação de ser independente e iniciar uma Jornada.

Caminhei entre as magníficas árvores, não possuíam folhas no entanto seus galhos eram cobertos por finas camadas de cristais de gelo que brilhavam como um show de luzes natural era de tirar o fôlego. Almejava ir até o pântano do local, mas no momento eu caminhava sem rumo em busca de alguma batalha para poder me fortalecer.



avatar
Masculino
Mensagens : 48

Admin
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Cap. I] Finally the Beginning

Mensagem por Ivy em Ter Jan 02, 2018 10:56 pm

Pumpkaboo and the Cursed Forest


Após caminhar por alguns minutos pela extensa rota dezoito, dei de encontro com um outro tipo de árvores, as chamadas taigas ou coníferas. Grandes pinheiros, desses que se via nas casas de família rica durante a época de natal, rodeavam o local, supus que ali pudesse ser uma área de extração de tais espécies de árvore mas eu não iria perder meu tempo conferindo.

Alterando um pouco o rumo que eu estava seguindo, pude ver duas luzes iluminando uma das árvores, como lanternas, talvez fosse outros treinadores mas ainda era dia e não havia necessidade de utilizar de lanternas ou lamparinas. Outro detalhe que reparei, é que estavam iluminando numa altura incomum para um ser humano, quase três metros de altura.

Respirei fundo buscando coragem, fui até o local para ver do que se tratava e me deparei com uma criatura rechonchunda que flutuava assim como Morgana, eram semelhantes as Jack-o-Lantern de Halloween, no entanto, tinha um ser de um tom quase preto acima dela, com pequenas presas e olhos minúsculos num tom de amarelo.

Apontei minha PokéDex e descobri que se tratava de uma Pumpkaboo, Pokémon típico da região de Kalos do tipo Grama e Fantasma. Aos poucos fui me lembrando de já ter visto aquele Pokémon em algum lugar e logo recordei que Jessebella usava um nos Showcase de Kalos. O desejo dentro de mim por aquela Pumpkaboo apenas aumentou.

Ao terminar de ouvir os dados informados pela PokéDex, Morgana saiu de trás de mim e flutuou até a Pokémon abóbora, rodeou-a olhando de cima a baixo. Em seguida, ambas as Pokémon fantasma sorriram, supus que gostaram uma da outra.

Tirei meu foco das duas e guardei a minha PokéDex na minha bolsa de cintura e aproveitei para pegar uma Pokébola vazia. Ao retomar minha atenção, vi que Morgana e Pumpkaboo já estavam distantes entrando mais a fundo na vasta floresta de coníferas; desesperadamente, segui-as para que não perdesse-as de vista.

Os imensos pinheiros rodeavam o local formando quase um teto sob a região, escurecendo o local e explicando o motivo de Pumpkaboos habitar as proximidades. Um cala-frio tomou conta da minha espinha ao ouvir sussurros em meus ouvidos, vozes distantes e serenas que ecoavam mandando que eu abandonasse o local, no entanto, tentei ignorar o máximo que pude e segui atrás de minha Pokémon.

Dobramos por diversas curvas e encontrei coisas que eu jamais pudesse imaginar que teriam ali, haviam sim algumas árvores cortadas mas em cada resto de tronco em que restava havia algo escrito com uma tinta que parecia sangue, talvez fosse sangue de verdade, não quis tocar para conferir; em cada tronco um nome e endereço de algo que eu supus que fossem os lenhadores que cortaram cada árvore. Era macabro pensar o que os espíritos daquela floresta iriam fazer com cada um deles.

Por fim, chegamos a uma imensa clareira e ao ver a cena a minha frente, esgueirei-me por um arbusto por motivos de segurança. No centro da clareira, pude ver dois Pokémon que rapidamente reconheci, Trevenant e Gourgeist, estavam sendo rodeados por Phantumps e Pumpkaboos que ligavam e desligavam suas lanternas enquanto saudavam suas formas evoluídas. Um ritual, imaginei.

Olhei melhor e consegui achar Morgana em meio a multidão de fantasmas, parecia bastante contente estando ali, não queria incomodá-la mas também não poderia retornar sozinha. Talvez se eu retornasse ela para a Pokébola e saísse dali tudo poderia ocorrer bem, ou então, eles me rodeariam e fariam sei lá o que comigo.

Antes que eu pudesse considerar aquele ritual uma coisa comum e pura, pessoas surgiram, estavam sendo trazidas por meio de hipnose de um novo Trevenant que surgiu no círculo. Aos poucos, as pré-evoluções abriram espaço para que as pessoas pudessem passar. Eram todos homens, com roupas típicas de um lenhador e todos carregavam em suas mãos o seu respectivo machado. Novamente o frio na espinha me consumiu com medo do que fosse acontecer a eles.

Os lenhadores formaram um círculo ao redor da Gourgeist, que rapidamente teve seus olhos consumidos por uma energia rubro-negra. Em seguida, a clareira inteira escureceu se tornando completamente preta, não era possível nem mesmo enxergar as coníferas. Por conseguinte, cada lenhador ergueu sua cabeça para o seu e abriu a boca, aos poucos uma névoa cinza começou a ser liberada de cada um. Na verdade, não era névoa, e sim o espírito de cada um deles que ao sair por completo, desaparecia imediatamente, talvez fossem para o Spectre Cemetery ou até mesmo para o Inferno, se é que existe.

Em seguida, foi a vez de Trevenant agir. Aparentemente, o Pokémon praguejou em alguma língua antiga e desconhecida e cada um dos lenhadores caindo no solo começou a ser rodeado por raízes até serem transformados em coníferas que de alguma maneira macabra criaram pés e ocuparam vazios nos arredores da clareira. Rapidamente pus as mãos em minha boca para abafar um grito.

No entanto, Morgana olhou para o lado e conseguiu me enxergar entre os arbustos. Sorridente, a Pokémon caminhou até mim e atraiu a atenção de todos os outros fantasmas presentes no ritual; enfurecidos, Gourgeist e Trevenant começaram a correr até mim.

Desesperada, corri sem rumo pela densa floresta que parecia ficar cada vez mais macabra, o lugar escurecia como o Trick-or-Treat de Gourgeist e grossas e retorcidas raízes brotavam do solo tentando me apanhar, provavelmente Trevenant usando sua maldição. Não sabia para onde correr muito menos se saíria viva. Olhei para trás e os fantasmas menores pareciam correr atrás de Pumpkaboo e Frillish, talvez estivessem culpando ambos por terem me levado até o sagrado ritual deles.

Dobramos diversas curvas e pegamos caminhos sem pensar em bifurcações. Morgana, por sua vez, juntava seus membros e formulava diversas bolhas e as dispersava pelo ar para tentar atrasar os Pokémon, porém, por serem, na maioria, do tipo grama acabavam por ignorar o movimento com facilidade.

Ofegante, acabei vacilando e tropeçando em um dos galhos criados por Trevenant e aos poucos a raíz começou a me puxar de volta para o centro da floresta. No entanto, Frillish e Pumpkaboo se viraram em direção aos Pokémon. Morgana teve seus olhos cobertos por uma aura rubro-negra e logos ondas do mesmo tom se dispersaram a partir dela assustando os Phantumps e Pumpkaboos que vinham até mim. A Pumpkaboo, que estava como nossa aliada naquele momento, teve seu rosto aumentado drasticamente transformando-se em algo amedrontador, também espantando mais alguns dos fantasmas.

Em seguida, consegui me livrar das raízes, supus que Trevenant não era o único que estava influenciando o surgimento delas e, sim os Phantump também o ajudava. Levantei-me desesperadamente e voltamos a correr somente desejando sair daquela floresta que mais parecia um labirinto. Durante todo o trajeto, vi alguns espíritos de lenhadores que pareciam estarem sendo torturados na floresta.

Após aterrorizantes minutos, conseguimos sair da floresta amaldiçoada são e salvos. Gourgeist e Trevenant se posicionavam na entrada do local, foi então que eu reparei que a entrada para a floresta era mais escura e densa, pouca luz do sol irradiava na região e por isso os Pokémon escolheram tal habitat para fazerem de moradia.

Me joguei no chão; ofegante, tentava recuperar o fôlego aos poucos. Consegui me virar em direção ao céu e pude ver a pobre Pumpkaboo que olhava para a floresta, provavelmente teria sido banida e caso voltasse para lá sua vida não seria muito boa.

— Ei, Pumpkaboo. — chamei enquanto esforçava para me levantar — Sabe, se você quiser, pode vir comigo e com Frillish. — disse com um sorriso convidativo. A Pokémon parecia confusa, não sabia o que decidir e olhou para Frillish que com um gesto de cabeça disse algo do tipo "Ela não vai te fazer amaldiçoar" ou coisa do tipo. Ela esboçou um pequeno sorriso, supus que isso fosse um sim ao meu convite.

Peguei em minha bolsa de cintura uma Pokébola vazia, a mesma que havia guardado antes de começar seguir as duas fantasmas, expandi-a e aproximei a mesma de Pumpkaboo. Com um toque suave no seu corpo de abóbora, a esfera abriu-se ao meio e emitiu um feixe vermelho que cobriu a fantasma que logo fora absorvida para dentro do objeto; sem relutância, a Pokébola emitiu um brilho verde no seu centro confirmando a captura.

— Pode sair, Pumpkaboo. — disse logo em seguida liberando a Pokémon para que pudesse ficar livre assim como Morgana — Chamarei-a de Deméter, que tal? — propus sorridente. A Pokémon esboçou o mesmo semblante de confusão do que antes mas logo pareceu concordar com o apelido, Morgana, por sua vez, aplaudiu a escolha e a conquista com suas "mãos".
∆ LYL - FG
avatar
Masculino
Mensagens : 48

Admin
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Cap. I] Finally the Beginning

Mensagem por Janna em Ter Jan 02, 2018 11:25 pm

AVALIAÇÃO
O texto foi muito bem descrito, dando para perceber o que seus Pokémon faziam e o que você estava pensando. Foi bem interessante você não usar uma batalha para capturar seu Pumpkaboo e sim preferir fazer uma captura amigável. Sua postagem merece um Ótimo, continue assim!

Pumpkaboo capturado. Ele vem ao nível 10.

Pumpkaboo #710:

• Pokémon
Pumpkaboo
• Nível
10
• Sexo
Feminino
• Habilidade
Pickup
• Item
Miracle Seed

• Ataques
Trick
Astonish
Confuse Ray
Scary Face
Trick-or-Treat


avatar
Mensagens : 189

Admin
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Cap. I] Finally the Beginning

Mensagem por Ivy em Sab Jan 06, 2018 4:43 pm

Morgana attacks an Owl


E lá estava eu mais uma vez caminhando pela grande floresta congelada sem ter rumo específico para seguir por enquanto, decidi que talvez fosse melhor já me aproximar da região pantanosa, afinal, meu primeiro desafio como Performer era contra a renomada Janine, uma grande especialista em tipos venenosos. Na batalha, eu não teria muita vantagem, afinal, eu não havia nenhum movimento que causasse dores de cabeça a Janine, muito pelo contrário, uma de minhas Pokémon era até fraca contra tal. Torci para que encontrasse algum Pokémon que pudesse usar naquela ocasião, nem que fosse somente na batalha.

Decidi não ficar pensando muito na batalha contra Janine, comecei a ocupar a minha cabeça em como fazer uma boa combinação de movimentos entre Deméter e Morgana, nada me garantia que eu capturaria nenhum outro Pokémon durante o trajeto até o Foggy Swamp, então, por enquanto, só poderia contar com os movimentos da dupla de fantasmas.

Cansei de ficar fritando meus neurônios, teria tempo suficiente para pensar numa boa estratégia... eu acho. Comecei a me perguntar o que Jessebella faria no meu lugar, afinal, ela já teve uma Frillish e uma Pumpkaboo mas nunca utilizou as duas numa mesma apresentação, era intrigante.

Por fim, consegui distrair a minha cabeça com outra coisa, na verdade, consegui apenas parar de me perguntar tantas coisas sem respostas, eu iria enlouquecer assim, o que não era difícil na companhia de duas fantasmas que adorava ficar flutuando e desaparecendo por aí, explorando a região.

— Meninas, tomem cuidado com o que vocês estão fazendo. Não quero despertar um urso de sua hibernação ou algo assim. — disse imaginando o que poderia ter de assustador por aquela floresta — Não queremos, não é? — demorei de mais, não me ouviram. Partiram para outra exploração, tentei ficar o mais tranquila possível, eram espertas o suficiente para saberem se cuidar sozinhas, tentei seguí-las mas eu não tinha a incrível habilidade de me tornar intangível e passar por entre as árvores e por isso as perdia de vista frequentemente.

Estranhamente, desta vez eu as perdi de vista por muito tempo, não era muito comum, geralmente sempre voltavam rindo me contando a história de como assustaram um jovem treinador ou um Pokémon medroso, pelo menos era o que eu achava que estivessem me contando. Talvez eu não devesse ter deixado as duas partirem, talvez eu fosse uma treinadora irresponsável e não merecia a confiança dos meus Pokémon... tratei de tirar esses pensamentos da cabeça imediatamente, não adiantaria de nada ficar remoendo esse tipo de coisa, tinha de procurá-las imediatamente.

Não demorou muito para que eu achasse elas, quer dizer, não exatamente as duas. Era apenas Deméter, a feição em seu rosto era de medo e preocupação. De alguma forma, eu entendi que se tratava de Morgana, não era necessário muita inteligência para saber disso; tratei de seguir a abóbora fantasmagórica adentrando a floresta de galhos congelados.

Chegamos ao nosso destino e a cena não era a pior que se podia imaginar, mas pelo visto, haviam irritado quem não deveria, uma redonducha ave marrom de imensos olhos vermelhos. Consegui enxergar Morgana, estava correndo da coruja que insistia em bicá-la, seu membro estava brilhando num tom de branco e estava maior do que o comum.

— Morgana! — gritei preocupada. Peguei a PokéDex na minha pequena bolsa de cintura, apontei a câmera que tratava de reconhecer os Pokémon, de acordo o apetrecho, era um Hoothoot, Pokémon da região de Johto.

— Certo... Um tipo normal mas que consegue te atingir... Morgana, me ouça, vamos tentar juntas, okay? — disse tentando acalmar a fantasma, não parecia estar funcionando mas eu senti que ela iria me ouvir se desse alguns comandos — Espalhe algumas bolhas pelo campo, crie obstáculos. — solicitei a Pokémon.

Enfim Hoothoot se cansou de perseguir Frillish. A Pokémon aproveitou a brecha e recuperou seu fôlego e equilíbrio voltando a flutuar normalmente, ouviu meu pedido e executou-o com exímia maestria, mostrando ser muito habilidosa mesmo sendo seu primeiro combate ao meu lado.

Juntou seus membros deixando um círculo aberto no meio, posicionou o desenho geométrico em direção a coruja e começou a disparar bolhas que flutuava calmamente pelo ar e se espalhava pelo campo de batalha. As bolhas permaneciam inértes no ar bloqueando a passagem da ave que ficava observando-as tentando entender a estratégia de Frillish e buscar um jeito de contornar a situação.

Desta vez, a partir de sua boca, Morgana disparou mais uma saraivada de bolhas, porém, eram mais concentradas e bem menores do que as outras, mas ao mesmo tempo eram tantas que se tornava algo semelhante a um jato de espuma. As bolhas atingiam o corpo de Hoothoot que se desequilibrava por um instante mas logo voltava ao normal.

Por fim, Frillish revelou sua estratégia, com a ajuda de Deméter, a Pumpkaboo, as bolhas foram iluminadas pela lanterna da Pokémon que fazia o reflexo de Frillish aparecer em todas as bolhas, almejando confundir o Pokémon ave noturna, parecia estar funcionando.

Cansado de pensar, Hoothoot avançou em direção a Frillish, ou pelo menos o que ele achava que fosse Frillish. Ao chocar seu corpo contra a bolha, o Pokémon era aprisionado dentro da mesma e logo todas as outras estouravam.

— Ei, vocês duas treinaram isso quando? — perguntei surpresa e as Pokémon apenas se entreolharam e soltaram uma leve risada — Certo, Morgana, continue com Bubble, não temos outra opção. — solicitei gentilmente para Frillish que não hesitou.

Entretanto, a Pokémon formou o mesmo círculo e apontou-o em direção de Hoothoot que estava preso na bolha, desta vez a bolha estava sendo controlada pelos poderes de Frillish, a bolha se movia de acordo com os movimentos de Morgana. Por fim, fechou as mãos e a bolha estourou lançando Hoothoot longe.

Tonto, a ave balançou sua cabeça e piscou várias vezes para tentar recobrar toda a sua consciência. Levantou voo mais uma vez, seu bico foi possuído por um brilho esbranquiçado e o Pokémon partiu na direção de Frillish. Desferiu uma estocada contra a fantasma que foi lançada alguns metros para trás perdendo seu equilíbrio.

Irritada, Morgana retomou a sua posição de combate e abriu sua boca desencadeando uma poderosa rajada de bolhas espessas que juntas formavam algo parecido com um jato de espuma que partiam na direção de Hoothoot, ao ser atingido, o corpo do Pokémon pesava pela grande quantia de água e ficava mais lento. Entretanto, ao ser atingida pelo bico da coruja, o corpo de Frillish fora rodeado por uma aura de coloração roxeada, comemorei silenciosamente que a habilidade da Pokémon havia ativado, agora só restava um movimento ofensivo para a ave, e este não atingia Frillish.

A ave redonda teve seus olhos possuídos por um brilho vermelho, assim como Pumpkaboo, uma luz de lanterna começou a partir dos glóbulos oculares da coruja que miraram em direção a Frillish, para a minha surpresa não causou dano mas a PokéDex avisou-me que Morgana estava novamente vulnerável, até mesmo aos ataques normais de Hoothoot.

— O.k. Morgana, com sorte nós conseguimos finalizar ele no próximo movimento. Mantenha o Bubble! — ordenei almejando a vitória. Deméter, a Pumpkaboo, estava ao meu lado e parecia preocupada com sua colega mas acreditava nas capacidades da  mesma.

Sem hesitar, Morgana concordou com o meu pedido e o executou com exímia maestria. A Pokémon disparou um jato de bolhas que partiam na direção de Hoothoot, as bolhas estouravam e causavam um dano mediano contra a ave ao ser atingida e jogava a mesma para trás desequilibrando-a.

Enfurecido, Hoothoot levantou voo e avançou, mas já não estava mais rápido como antes, seus movimentos foram retardados com o peso da água que acumulava em suas plumas, dando tempo suficiente para um contra-ataque. Rapidamente, Frillish juntou as mãos formando um círculo, mirou-o em direção a Hoothoot e soprou desencadeando uma imensa bolha que se colocava na frente da ave. Sem pensar duas vezes, a coruja continuou avançando e ao atingir a bolha fez com que a mesma estourasse e lançasse Hoothoot para trás com o impacto da explosão; no solo, a ave tentou se levantar, sua respiração estava ofegante mas por fim desmaiou assinando sua desistência.

Sorridente, Morgana veio rapidamente até mim e Deméter com um sorriso em seu rosto comemorando a vitória de sua primeira batalha. Vasculhei por dentro da minha bolsa de cintura em busca de uma Pokéball vazia, expandi a esfera em minha mão e lancei a contra Hoothoot almejando capturar o Pokémon mesmo que este não fosse de grande interesse para mim.

A esfera tilintou uma vez, duas, três, e nada da captura ser confirmada. Após mais algumas balançadas, um símbolo verde surgiu no centro da Pokébola concluindo a captura de Hoothoot; esbocei um leve sorriso no canto da boca e fui em direção a esfera, peguei-a e guardei na minha pequena bolsa.

— Vamos, meninas. É hora de nos despedirmos da rota dezoito... Mas não por muito tempo. — chamei Frillish e Pumpkaboo rumando em direção ao Centro Pokémon que havia naquela rota.

Pode fechar a rota. Obrigado.
∆ LYL - FG
avatar
Masculino
Mensagens : 48

Admin
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Cap. I] Finally the Beginning

Mensagem por Sammy em Dom Jan 07, 2018 10:34 am

AVALIAÇÃO
Outra ótima narração, desceu uma lágrima aqui quando soube que o ótimo foi nerfado. Enfim, seu enredo foi bem clichê e objetivo, clássica jornada da Noviça Rebelde. Quanto a escrita, quem me dera escrever desta forma. Vamos falar um pouco dos pontos negativos da sua história, ela foi muito objetiva... deu pra ver que você usou esta aventura para encerrar a rota e capturar alguns pokémons e ponto final, isso meio que comeu alguns pontos de enredo. Com isso suas notas são:
Enredo: 3.0/5.0
Escrita: 5.0/5.0
Total: 8.0/10.0
Muito Bom
Pumpkaboo's HP: 50%
Larvitar's HP: 50%
Hoothoot's HP: 10%

(Recomendações: Ir ao PokéCentro(Clicável))


Pumpkaboo, está Level 9. Subindo dois níveis.


Frillish, está Level 7.


Hoothoot, está Level 7. Vá você mesma editar sua ficha, até porque você tem este poder.


Despojo: 22 (TM 28 - Leech Life)
Imagem do Sorteio

avatar
Feminino
Mensagens : 251

Admin
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Cap. I] Finally the Beginning

Mensagem por Sammy em Dom Jan 07, 2018 10:45 am

Rota Finalizada!
avatar
Feminino
Mensagens : 251

Admin
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Cap. I] Finally the Beginning

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum